Siga-me no Twitter

Entre e me adicione

Blog Cdor Heraldo Lage

Blog É Nóish Na Fita !

Meus Textos Poéticos


 

ABRAÇA-ME

Cdor Heraldo Lage

 

Entre tantas coisas que o mundo pode oferecer

Um humilde aprendiz de poeta só quer fortalecer

Sentimento que brota a cada instante, a cada dia,

Como no conto de fadas em forma de pura magia

 

Sublime sentimento que cultivado somente engrandece

A cada vivente que o recita na poesia como fosse uma prece

Elevada aos céus em homenagem àquela pessoa que tanto ama

A mulher amada por quem mais que a sua própria essência clama

 

Aquela que mantém dentro de si, sempre acesa a chama,

Que lhe traz mais poderes para vencer as agruras da vida

Aquela de quem lembra ao deitar ou levantar de sua cama

Que lhe engrandece a alma para ser vencedor em sua lida

 

Quando um poeta ama, algo de bem especial acontece,

Porque diferente de tantas outras pessoas, no amor,

Há também a poesia que o sentimento enobrece

Que o faz brilhar como estrela de grande fulgor

 

Poeta é humilde, nem melhor nem pior que ninguém.

Capaz de viver na insegurança, com total segurança,

Se alguma coisa quer pedir, humilde, a esse alguém,

Pode ser o abraço que lhe dará sua grande pujança

 

Quando um amante poeta diz ABRAÇA-ME! Somente

Não busca apenas o contato de corpos, simplesmente,

Diz ABRAÇA-ME! Em busca de uma grande sintonia...

Que os integre, corpos, almas, como em uma sinfonia.

 

ABRAÇA-ME! Diz o poeta à sua musa, extasiado!

ABRAÇA-ME! Brada o poeta à sua dama, enfeitiçado!

ABRAÇA-ME! Reclama o poeta à sua musa, o seu calor!

ABRAÇA-ME! Sussurra o poeta à sua dama, o seu clamor!

 

ABRAÇA-ME! Diz o catador de letras, apaixonado,

Àquela que com ternura participa dessa sinergia

Concedendo ao amado sua parte, o seu bocado,

Vivendo aquele momento como em uma liturgia

 

O ritual que inicia a grande caminhada ao apogeu

Viagem que os conduzirá ao mundo das fantasias

A musa e o poeta que dentre tantas a ela elegeu

Um simples abraço dando início a grandes orgias!

 

Do amor sem fronteiras, sem pudores, implanta-se a semente,

Que da quietude em seus mundos separados gera a simbiose

Ao se unirem os dois corpos que geram Um terceiro somente

Na Vida que nasce e se desenvolve como em metamorfose

 

Muda de forma, cresce, evolui, no início, dependente,

Do amor e dos cuidados de ambos que lhe deram à Luz

Para que um dia se forme e se torne um ser independente

Unindo-se a outro ser bem diferente de quem agora o conduz

 

Que n’um simples abraço se inicie tudo novamente...

Com seu Ser amado possa ver plantada sua semente

Em alguém que o abrace com ternura e tão somente,

Que realizem em plenitude suas vidas... Docemente.

 

Quando se der a separação desse triângulo de amor

Será como o novo corte do mesmo cordão umbilical

De quem esse casal gerou e cultivou como uma flor

N’um misto de surpresa, tristeza e alegria angelical.

 

Se a saudade vai falar mais alto, ali ninguém saberá.

Mas o tempo será sempre o maior e melhor remédio

Para amenizar, dessa ausência, o sofrimento, o tédio.

Incurável saudade que apenas no amor se sustentará

 

E enquanto tudo isso acontece

Muitas primaveras ressurgem

Quando o amor daquele casal

Mantém saúde, se engrandece!

Tantas outras novidades surgem

Na nobreza dessa vida conjugal

 

Com o tempo se esvaindo ao relento

A euforia se transforma em sossego

Do embalo tudo se torna mais lento

No ninho de amor apenas aconchego

 

Quando o amor daquele poeta

Que deu origem a tanta beleza

Perdura até o final de sua vida

Correspondido por aquela atleta

Que a ele se doou com realeza

Tornando sua vida menos sofrida

 

Uma nova magia acontece...

Sua obra já não desaparece

Naquele rebento reaparece

Reconhecida se enriquece

Se neste mundo prevalece

 

E ao se lembrarem dois, dos áureos tempos de outrora,

Cientes da distância em que se encontram da aurora

Silentes ante o crepúsculo de suas vidas virtuosas

Considerando que tiveram suas sinas vitoriosas

 

Tomados por nova Luz resplandecente

Olhando-se nos olhos mutuamente

Como que em gratidão premente

Repetem como antigamente

Uníssonos, alegremente

Simplesmente

 

ABRAÇA-ME!

 

Heraldo Lage
Amigos Verso & Prosa
http://www.hlage.com.br
Em 18-04-2005 – 23:49 h.