PAÍSES@
Tudo sobre todos os países do mundo

Portal Cdor Heraldo Lage
HLAGE.COM.BR

Relógio do Mundo

É NÓISH NA FITA !

Oi Pessoal !  :o))  "É Nóish Na Fita!" foi inaugurada em 2001.  Eh eh eh ... Alguns textos eu capturo por aí... Nesse mundão cibernético. Quem quiser postar aqui pode enviar e-mail: verso_e_prosa@yahoo.com.br Vamos selecionar e publicar o que for possível. Política - GG-FFAA e Geral, You Tube ...
Obs.: As matérias aqui publicadas não representam obrigatoriamente a opinião da direção deste site. São de exclusiva responsabilidade de quem as envia.
Conheça também o nosso Blog "É NÓISH NA FITA !"

cinza metálico, mas azulado quando oxidado


Um cubo de 1cm3 de nióbio anodizado de alta pureza

(99,95%) e cristais de nióbio de alta pureza (99,995%),

 feitos eletrolitamente, para efeito de comparação.

VOCÊ SABE O QUE É
NIÓBIO???

Wed, Aug 17, 2011 at 5:01 PM

Pix.gif Nióbio Stylised Lithium Atom.svg
Zircônio  Nióbio  Molibdênio
V
      Cubic-body-centered.png
 
41
Nb
   
               
               
                                   
                                   
                                                               
                                                               
Nb
Ta
Tabela completa  Tabela estendida
 
 

Essa é uma antiga história ainda não explicada.
Achei estranho que este texto não menciona Araxá e Catalão!

Vá ao Google e digite "Araxá Nióbio" e depois "Catalão Nióbio".
Lá estão as maiores jazidas de Nióbio do Brasil, que já tinham sido negociadas muito tempo!

Lá você encontrará informações mais detalhadas sobre o assunto!
Aqui... Veja esta, por exemplo!

A HISTÓRIA DO NIÓBIO E DA CBMM EM ARAXÁ...

Por: Morador de Araxá

Estimado amigo Antuérpio Pettersen, sabendo que tens um grande amigo aqui em Araxá (MG), cuja a casa se encontra de portas abertas e a disposição do nobre amigo, reitero votos de elevada estima a você e família, bem como a conceituada ABDIC.

Caro amigo, a respeito da matéria veiculada no Jornal da ABDIC sobre o Contrabando do nosso Nióbio (Brasileiro), esclareço que como araxaense e morador desta linda e bela cidade, cabe-me endossar o comentário da matéria supra, bem como fazer algumas pequenas correções.

Eis que o nome correto da "empresa detentora da Jazida da maior reserva de Nióbio do mundo" é CBMM - Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração, e ela situa-se á apenas 5 Km do centro da cidade de Araxá (Como pode ver, ela fica praticamente dentro da cidade). E os problemas causados por essa empresa em solo araxaense vão muito além do exposto pelo Jornal da ABDIC, pois devido a extração deste minério ela coloca a mercê do ambiente onde é extraída uma gama muito grande no mineral de nome "BÁRIO", que devido a terra ser revolvida, a sua oxidação é levada a efeito quando o mesmo entra em contato com oxigênio. E uma vez que isso ocorre, ele, assim que chove, é levado para o lençol freático de água, contaminando-o com esse metal pesado (Bário) numa proporção maior que a permitida de Bário na água potável pela Fundação Mundial de saúde é de 0,07 e aqui esse montante chega a 8.7, e 8.9 .

Varias foram as famílias que tiveram seus parentes falecidos com câncer devido a beberem por anos a água do solo e dos rios que abastecem a nossa cidade com esta água contaminada; a maioria da cidade aqui hoje bebe água de garrafões que vem de outras cidades da região, por se tratar de água pura e sem Bário.

A empresa Superagua (Do Grupo SuperGásBras) comprou os direitos para envasar e vender aos incautos e desavisados pelo país a fora, esta água contaminada pelas empresas CBMM e a hoje Vale Fertilizantes (ex-Arafértil e posteriormente ex-Bunge).

Vale ressaltar que a empresa "CBMM" de instalou na cidade de Araxá a cerca de 50 anos atrás com o nome de "DEMA", e anos depois recebeu a nova denominação de CBMM. Esta empresa pertence ao Grupo Moreira Sales (Donos do Unibanco) e ao Grupo Moricorp dos EUA, este ultimo, quando da descoberta da Jazida de Nióbio em Araxá a décadas atrás não podia ser dono majoritário de uma empresa em solo brasileiro, pois a lei do país na época assim não os permitia, então como o negocio era muito lucrativo, eles ofereceram e deram de graça (mão beijada) o domínio majoritário ao então embaixador brasileiro nos EUA na época, Dr. Walther Moreira Salles.

Um pouco da história do Nióbio e da CBMM:

 O elemento 41 foi descoberto na Inglaterra em 1801, por Charles Hatchett, que na época o denominou de Colúmbio. Posteriormente, o químico alemão Heinrich Rose, pensando haver encontrado um novo elemento ao separá-lo do metal tântalo, deu-lhe o nome de nióbio em homenagem a Níobe, filha do mitológico rei Tântalo.

As informações mais antigas sobre o uso de nióbio datam de 1925, referindo-se à substituição do tungstênio na produção de ferramentas de aço. No início da década de 1930, o nióbio passou a ser utilizado na prevenção de corrosão intergranular em aços inoxidáveis.

Até a descoberta quase simultânea de depósitos de pirocloro no Canadá (em Oka) e da maior jazida do mundo no Brasil (em Araxá-MG), na década de 1950, o uso do nióbio era limitado pela oferta limitada (era um subproduto do tântalo) e custo elevado. Com a produção primária de nióbio, o metal tornou-se abundante e ganhou importância no desenvolvimento de materiais de engenharia.

Na década de 1950, com o início da corrida espacial, aumentou muito o interesse pelo nióbio, o mais leve dos metais refratários. Ligas de nióbio, como Nb-Ti, Nb-Zr, Nb-Ta-Zr, foram desenvolvidas para utilização nas indústrias espacial e nuclear, e também para fins relacionados à supercondutividade. Os tomógrafos de ressonância magnética para diagnóstico por imagem, utilizam magnetos supercondutores feitos com a liga NbTi.

As superligas aeronáuticas também utilizam nióbio. Destas, a mais importante é o IN718, introduzida em 1966 e cujo aperfeiçoamento resultou numa família de superligas utilizadas nas turbinas aeronáuticas e estacionárias mais modernas.

Outro desenvolvimento importante da década de 1950 foi o aço microligado. Estudos conduzidos na Inglaterra -na Universidade de Sheffield e na British Steel - e também nos Estados Unidos, tornaram o aço microligado uma realidade industrial quando a Great Lakes Steel entrou no mercado, em 1958, com uma série de aços contendo cerca de 400 gramas de nióbio por tonelada, exibindo características (resistência mecânica e tenacidade) que até então somente podiam ser obtidas com aços ligados muito mais caros.

A descoberta de que a adição de uma pequena quantidade de nióbio ao aço carbono comum melhorava consideravelmente as propriedades deste, levou à utilização em grande escala do conceito de microliga, com grandes vantagens econômicas para a engenharia estrutural, para a exploração de óleo e gás e para a fabricação de automóveis.

Atualmente, os aços microligados respondem por 75% do consumo de nióbio. São materiais sofisticados, desenvolvidos a partir de princípios de metalurgia física que refletem o esforço conjunto da pesquisa e desenvolvimento conduzidos na indústria e nos laboratórios de universidades.

O conhecimento científico se revelou essencial para o elemento 41. Os avanços conseguidos até aqui ampliaram o raio de aplicação do nióbio em aços, superligas, materiais intermetálicos e ligas de Nb, bem como em compostos, revestimentos, nanomateriais, dispositivos optoeletrônicos e catalisadores.

Parte importante desses esforços está presente nos projetos agraciados com o Prêmio Charles Hatchett, organizado pela CBMM.

A Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração, do Grupo Moreira Salles, é uma empresa nacional que extrai, processa, fabrica e comercializa produtos à base de nióbio.

Uma Conta de Participação nos Lucros entre a estatal CODEMIG e a CBMM garante a exploração racional do depósito de nióbio localizado próximo à cidade de Araxá, em Minas Gerais. O contrato concede 25% de participação nos lucros operacionais da CBMM ao Governo do Estado de Minas Gerais.

A CBMM é a única produtora de nióbio com presença em todos os segmentos de mercado. Com subsidiárias na Europa (CBMM Europe BV - Amsterdam), Ásia (CBMM Ásia Pte - Cingapura) e na América do Norte (Reference Metals Company Inc. - Pittsburgh), a CBMM dedica atenção especial aos consumidores, onde quer que estejam no mapa-múndi.

OBS: O Autor do Artigo, por questões de Segurança, Cidadão de Araxá,
pede Privacidade, portanto: Anonimato.

Outras Informações no Link:
http://thaleramendes.blogspot.com/2009/03/niobio-brasil-carece-de-uma-seria.html

Obrigado pelas mensagens!

Até breve!

Olavo THADEU

Coloque os e-mails em CCO
Evite a proliferação de SPAMM

Em 16 de agosto de 2011 17:33, Denize Câmara < > escreveu:

Nióbio, o metal que só o Brasil fornece ao mundo.
Uma riqueza que o povo brasileiro desconhece,
e tudo fazem para que isso continue assim.

Como é possível o fato do Brasil ser o único fornecedor mundial de nióbio (98% das jazidas desse metal estão aqui), sem o qual não se fabricam turbinas, naves espaciais, aviões, mísseis, centrais elétricas e super aços; e seu preço para a venda, além de muito baixo, seja fixado pela Inglaterra, que não tem nióbio algum?

EUA, Europa e Japão são 100% dependentes do nióbio brasileiro. Como é possível em não havendo outro fornecedor, que nos sejam atribuídos apenas 55% dessa produção, e os 45% restantes saindo extraoficialmente, não sendo assim computados.

Estamos perdendo cerca de14 bilhões de dólares anuais, e vendendo o nosso nióbio na mesma proporção como se a Opep vendesse a 1 dólar o barril de petróleo. Mas petróleo existe em outras fontes, e o nióbio só no Brasil; podendo ser uma outra moeda nossa. Não é uma descalabro alarmante?

O publicitário Marcos Valério, na CPI dos Correios, revelou na TV para todo o Brasil, dizendo: “O dinheiro do mensalão não é nada, o grosso do dinheiro vem do contrabando do nióbio”. E ainda: “O ministro José Dirceu estava negociando com bancos, uma mina de nióbio na Amazônia”.

Ninguém teve coragem de investigar… Ou estarão todos ganhando com isso? Soma-se a esse fato o que foi publicado na Folha de S. Paulo em 2002: “Lula ficou hospedado na casa do dono da CMN (produtora de nióbio) em Araxá-MG, cuja ONG financiou o programa Fome Zero”.

As maiores jazidas mundiais de nióbio estão em Roraima e Amazonas (São Gabriel da Cachoeira e Raposa – Serra do Sol), sendo esse o real motivo da demarcação contínua da reserva, sem a presença do povo brasileiro não-índio para a total liberdade das ONGs internacionais e mineradoras estrangeiras.

Há fortes indícios que a própria FUNAI esteja envolvida no contrabando do nióbio, usando índios para envio do minério à Guiana Inglesa, e dali aos EUA e Europa. A maior reserva de nióbio do mundo, a do Morro dos Seis Lagos, em São Gabriel da Cachoeira (AM), é conhecida desde os anos 80, mas o governo federal nunca a explorou oficialmente, deixando assim o contrabando fluir livremente, num acordo entre a presidência da República e os países consumidores, oficializando assim o roubo de divisas do Brasil.

Todos viram recentemente Lula em foto oficial, assentado em destaque, ao lado da rainha da Inglaterra. Nação que é a mais beneficiada com a demarcação em Roraima, e a maior intermediária na venda do nióbio brasileiro ao mundo todo.

Pelo visto, sua alteza real Elizabeth II demonstra total gratidão para com nossos “traíras” a serviço da Coroa Britânica. Mas, no andar dessa carruagem, esse escândalo está por pouco para estourar, afinal, o segredo sobre o nióbio como moeda de troca, não está resistindo às pressões da mídia esclarecida e patriótica.

Cadê a OAB, o MFP, o Congresso Nacional ???

Os bandidos são mais honestos.

O nióbio apresenta numerosas aplicações. É usado em alguns aços inoxidáveis e em outras ligas de metais não ferrosos. Estas ligas devido à resistência são geralmente usadas para a fabricação de tubos transportadores de água e petróleo a longas distâncias.

·  Usado em indústrias nucleares devido a sua baixa captura de nêutrons termais.

·  Usado em soldas elétricas.

·  Devido a sua coloração é utilizado, geralmente na forma de liga metálica, para a produção de joias como, por exemplo, os piercings.

·  Quantidades apreciáveis de nióbio são utilizados em superligas para fabricação de componentes de motores de jatos, subconjuntos de foguetes , ou seja, equipamentos que necessitem altas resistências a combustão. Pesquisas avançadas com este metal que foi utilizado no programa Gemini.

·  O nióbio está sendo avaliado como uma alternativa ao tântalo para a utilização em capacitores.

O nióbio se converte num supercondutor quando reduzido a temperaturas criogênicas. Na pressão atmosférica, tem a mais alta temperatura crítica entre os elementos supercondutores, 9,3 K. Além disso, é um dos três elementos supercondutores que são do tipo II (os outros são o vanádio e o tecnécio), significando que continuam sendo supercondutores quando submetidos a elevados campos magnéticos.

Gente graúda, lá da "cabeceira" do Governo federal e órgãos como a FUNAI. Leia e repasse, vamos tentar acabar com mais essa fonte de roubalheira. Vários idealistas já foram para o beleléu tentando fazer que a produção do Nióbio nos fosse creditada.

O último foi o famoso EU SOU O ENÉÉÉÉIAS!... QUE AO DENUNCIAR FOI EXECRADO E ASSASSINADO. Por que Londres dá as cartas sobre o Nióbio.

Leiam AS SOCIEDADES SECRETAS E SEU PODER NO SÉCULO XX e saibam que a família Rotchild é quem manda nisso tudo e em muito mais...

http://www.hlage.com.br/E-Books-Livros-PPS/AsSociedadesSecretas_Original.pdf 

 

PARLAMENTO ESPANHOL - PARECE COM O DO BRASIL ?

LADRÃO INDIGNADO PEDE MAIS SEGURANÇA !

CAPAS DA REVISTA VEJA - MUITO INTERESSANTE !
P/ QUEM TEM MEMÓRIA CURTA ! - 2,27 Mbs
Enviado por Luiz Domingues

AOS MEUS AMIGOS PESSOAIS E AOS AMIGOS DO BRASIL OS VERDADEIROS PATRIOTAS ! (Cdor Heraldo Lage)
IMPÉRIO MUNDIAL !  O PODER OCULTO !  01 SÓ DE SACANAGEM - ANA CAROLINA
VOCÊ SABE VOTAR ? MÚSICA: BRASIL CORRUPÇÃO
BRASILEIRO DE SACO CHEIO !!! ANULE SEU VOTO !!!

Página Principal

  Assine meu novo Livro de Visitas  
  Você é Visitante nº